Cidade

Semsa reabre Base Operacional da Malária na zona Oeste

By  | 

Após um mês em obras, a Base Operacional da Malária, localizada no Campos Sales, zona Oeste, foi reaberta nesta segunda-feira, 31/7. Reparos, pintura, redistribuição dos espaços, climatização, construção de muro e colocação de portões integram as melhorias feitas no espaço, onde atuam 40 servidores da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), responsáveis por ações de prevenção, diagnóstico e tratamento da malária, considerada uma das principais endemias da região.

35898676050_0d9e13b921_z

Foto: José Nildo

A maioria dos servidores é Agente de Endemias, que usa a base como ponto de apoio das atividades de campo. Durante o dia, eles realizam busca ativa de pacientes, nas residências, para identificar casos da doença e oferecer tratamento imediato. Os agentes também vão às ruas com inseticida, para o famoso “fumacê”, combatendo diretamente o Anopheles, mosquito transmissor da malária, entre 18h e 18h30, horário de maior concentração do vetor.

O titular da Semsa, Marcelo Magaldi, destacou que o trabalho dos agentes de endemias é fundamental para a população, nas ações de Controle Vetorial. “Quando melhoramos as condições de trabalho desse servidor, melhoramos, também, a saúde de Manaus. E a determinação do prefeito Arthur Neto é empreender todos os esforços para garantir saúde de qualidade à população”, afirmou o secretário, que, na ocasião, entregou certificado de reconhecimento aos agentes.

“A Semsa manifesta reconhecimento pela dedicação, comprometimento e empenho durante o desenvolvimento dos trabalhos de Combate de Endemias no município de Manaus, de maneira efetiva nas atividades de vigilância, prevenção e controle de doenças e promoção da saúde, desenvolvidas em conformidade com as diretrizes do SUS”, constava no documento.

Manaus possui outras nove bases operacionais do Programa de controle da malária: quatro na zona Leste, uma na Norte e quatro na Rural.

Queda nos registros

A Semsa registra, até julho deste ano, em Manaus, um decréscimo de 18% este ano nos casos de malária, em relação ao mesmo período de 2016. O número de casos no período caiu de 5.158 para 4.233. Durante o ano passado foi desenvolvido o Plano de Intensificação das Ações de Prevenção e Controle da Malária em áreas prioritárias. Planejamento, monitoramento e avaliação foram realizados nas zonas Leste, Oeste e Rural.

Além do diagnóstico precoce, tratamento rápido com terapias medicamentosas combinadas e pulverização residual com inseticida, estão entre as principais intervenções da Semsa para controlar a malária, além de medidas de proteção como telas nas portas e janelas, mosquiteiros impregnados, uso de repelentes e roupas adequadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>